top of page

encontros de palavras sobre encontros
(de amores)

“Segurem suas alianças e  façam seus pedidos

Podem ser mais do que 3, podem ser infinitos

Porque na beira do mar é que os pedidos são atendidos.

Se conectem com o que há de mais sagrado em vocês e pensem eu seus desejos com força

para que suas alianças recebam toda essa energia boa.” Tati Führ- 2020

“Pedimos que as bênçãos e boas energias geradas nessa tarde também voem com o vento e se espalhem mundo afora para que possam se multiplicar mais e mais, para muita gente vibrar pela felicidade de vocês. Que cheguem nos corações de todos aqueles que estão precisando de amor. “ Tati Führ- 2020

Ficarei bem feliz se desejarem reproduzir algum destes textos

em sua rede social ou discurso.

Porém, ao fazê-lo, peço a gentileza de mencionar a autoria de Tati Führ @taticelebra na divulgação para valorizar a arte de todos nós que nos dedicamos à escrita com amor e responsabilidade.

 

Obrigada a cada casal-inspiração que confiou a mim a sua história e a sua celebração.

Sejam bem-vindos os casais que estão chegando agora por aqui e já estão tentando imaginar como seria contada a sua própria história.

"Guimarães Rosa escreveu que

 

“AMOR É A GENTE QUERENDO ACHAR O QUE É DA GENTE”

Esta é a história de uma moça e de um moço que se acharam. Acharam o que era deles.

 

Era uma vez uma moça que trabalhava com as coisas do lar, de fazer do lar dos outros um lugar bonito, de viver bem, de aconchego para os dias, de descanso para as noites.

Era um trabalho importante. Cheia de compromissos, ela quase nem tinha tempo pra pensar em como seria o seu lar próprio se encontrasse alguém pra compartilhar.

 

Era uma vez um moço que estudava as coisas da vida, as dores do corpo, as curas do coração. E mesmo sabendo tanto sobre sístoles e diástoles, ele tinha um vazio no peito que também doía às vezes, mas para essa dor, seus livros e aulas ainda não haviam indicado um tratamento.

 

Foi em 2014 que os retratos da moça e do moço combinaram. Mas era longe, tão longe, que dois anos se passaram até que aqueles rostos se tornassem pele, toque, carinho, beijo.

 

Beijo no Mirante de Itá, ao som do balido das cabras. Se grandes romances iniciam ao som de sinos ou pássaros, mal sabe a história da humanidade que são as cabras que dão sorte.

 

Sim, deram sorte pra moça e pro moço. Ela encontrou alguém pra chamar de lar. E ele, alguém pra preencher o coração. Namoro de estrada e saudade de quem ainda ficou longe por mais um ano até fazerem um do outro morada de verdade.

 

Era 2017 quando ela fez a mala e foi para o sul. O sul do coração que lhe abriu as portas, feliz. Juntaram paixões, escovas de dentes e livros. Contaram histórias, suas e do mundo inteiro. Acertaram a hora do café da manhã, e no conviver descobriram-se iguais e diferentes, mais iguais do que diferentes, e aprenderam, aprenderam muito.

 

Ela aprendeu a ser mais livre do relógio e dos planos pra dar lugar às boas surpresas, ao inesperado que o moço lhe oferecia. Ele aprendeu a enxergar a beleza de cada sopro de vida e a compartilhar o que havia em seu nobre coração.  Queria que vocês vissem as lindezas que são a moça e o moço, de rosto, de alma, têm a beleza daqueles que amam o belo.

 

Eles, que haviam combinado os retratos lá no primeiro dia, agora tinham o combinado de ficarem juntos para o desse e viesse, de seguirem o mesmo caminho. O futuro veio, os levou pra outra cidade e mais outra e o que importava mesmo pra eles era estarem juntos, aonde o caminho chegasse.

 

E porque o amor encontrou morada nesses namorados, no 12 de junho, o moço veio do quarto com surpresa de aliança brilhante e pedido pra casar. O olho da moça se iluminou e ela, que é toda aconchego, veio de abraço e de sim.  A mão de aliança a fazia sorrir, refletia o dia mais feliz da vida... que logo daria lugar outros dias mais felizes da vida." Tati Führ- 2020

"É a eles que iniciamos agradecendo: os pais que os abençoaram com a luz da vida. Os
pais que sonharam com vocês e foram tão importantes para que hoje possam estar juntos,
estão presentes nos seus corações agora e sempre.  Sendo força, exemplo, afeto, porto
seguro. Vocês, que são os guardiões das histórias das suas famílias de origem, hoje, se unem
em nome do amor para formarem uma nova família. " Tati Führ- 2020

"Mais do que uma simples palavra,
Dizer SIM é abrir o coração para aceitar as pessoas que vocês são hoje e as pessoas que se tornarão juntos, com o fluir da vida.
Dizer SIM é dar as mãos e seguir em frente com a certeza de que haverá alguém por ti e de que tu será o porto seguro desse alguém.
Dizer SIM é olhar para o futuro e confiar que o amor é ponto de partida, é jornada e é o destino de vocês.


O amor, mais do que ser visto como um milagre, deve ser visto como uma escolha. Sempre
escolham amar. Aceitem esse amor e se agarrem nele com força. Vivam com intensidade, porque amor não se economiza, não se guarda pra depois. Quanto mais a gente ama no dia de hoje, maior é a chance desse sentimento se multiplicar no dia de amanhã. Porque amor com amor se conecta e se expande quando dizemos SiM a ele." Tati Führ- 2020

 

" Foi assim que, pé-por-pé, Bruna e João entraram no mesmo barco.  

Iniciar um relacionamento é embarcar em uma viagem. Sentir a calmaria, os ventos, o balanço. Sentir aquele frio na barriga. Aquela brisa no coração.  

É compartilhar as decisões sobre o melhor trajeto, muitas vezes sem bússola, olhando para as estrelas ou um farol tão tão distante.  Somar forças remando juntos, depois curtir a vista do horizonte à deriva na paz de um fim de tarde.

Amor não é somente o destino. É a direção. 

Estando no mesmo barco a gente se vê de perto, a gente faz dar certo. É tempo de respirar fundo,  de criar espaço e, dentro daquele abraço, ter a total certeza de que está no melhor lugar do mundo. 

É remando juntos que se encontra o compasso, que se encontra o ritmo dos dois. Ambos deixam-se ser guiados, ambos são os guias. Ambos são entrega, confiança, equilíbrio, simetria.

 

Ele é de exatas, ela é de humanas. Ele começou ganhando uma gaveta no armário, ela estranhamente conversava sobre carros, ele entendia de moda. Ela tentava brigar, ele nem dava corda. 

Ela tem uma leveza . Ele tem piadas ótimas. Ela deixa as coisas acontecerem. Ele, deixa as coisas organizadas. Eles sorriem tantas vezes quando se olham. Certo dia eles viram que era amor, é... a gente também vê. 

Não é porque estão no mesmo barco que são pessoas iguais, ou que são opostos. São apenas dois corações dispostos a remar, a fluir, a amar. 

Lembram que lá no início o João começou com uma gaveta no armário da Bruna? Hoje eles moram juntos em um apartamento só deles. 

Esse barco virou lar, com espaço para o quarto do guerreiro, que a Bruna até tenta decorar, mas está difícil. Tem cozinha onde o João aprendeu a cozinhar outras coisas além de frango e batata doce, que era só o que ele comia antes de conhecer a Bruna. Hoje, quando ela está na faculdade, é ele quem prepara o jantar." Tati Führ-2019

"Existe um tipo de pessoas que me encanta. São as sonhadoras. Mas não são as sonhadoras que dormem, são as sonhadoras que acordam.

 

Que colocam um sorriso no rosto e fazem a vida acontecer. Que vem para confundir, e não para explicar. Vem para mostrar que e mais fácil rir do que chorar. Entendem que a alegria genuína é tão sagrada quando uma oração.

 

Fogem do trivial, do senso comum. São incomuns. Questionam regras e protocolos. Querem ser exatamente aquilo que são. Preferem ser originais. Até mesmo na sua cerimônia de casamento.

 

Elas levantam bandeiras, resistem, vestem a camiseta, querem um mundo melhor, com menos veneno, com mais justiça. Uma vida mais orgânica, com mais amigos, mais flores, mais praias, cachoeiras, mais Floras.

 

Sabem que em tempos de ódio é bom andar AMADO e que a força dos bons deve ser usada em benefício de todos.

 

Eles leem livros, leem mapas, seguem as estrelas, estão sempre buscando a melhor direção. Acreditam na magia da vida. Mudam o mundo. E colocam os pés no hoje, para abrirem caminhos e apreciarem a paisagem.

 

Esses sonhadores vão a luta, vão para a rua, voam longe, tem voz e tem vez. Eles dão as mãos e não largam fácil... ninguém solta a mão de ninguém.

 

E se a coisa fica difícil, viram cúmplices. Choram juntos, se ajudam, se apoiam, levantam e seguem porque a esperança é o que os move.

 

Sonham que as pessoas sejam boas em um mundo de amor e sentem o brilho no olhar que acalma e que dá força pra encarar tudo.

 

Parece que são feitos da mesma essência,  dos mesmos elementos, da mesma mágica. Exatamente da mesma substância de que são feitos os sonhos.

 

Talvez seja por causa do olhar, pela risada, o jeito como falam. Por aquilo que os encanta ou os desencanta. Pelo que vibra no coração.

 

Mas a verdade é que sonhadores se reconhecem. Alguns, ainda bem jovens, como aconteceu com a Gabi e o Rodrigo.

 

Se todos nós estamos aqui, é  porque fazemos parte de um dos sonhos desses dois, que depois de 15 anos desde que se conheceram, 08 anos de relacionamento sério, estão se casando.

 

E eles resolveram dar uma festa assim, na última hora, porque vendo tantas noticias ruins por ai, querem compartilhar com as pessoas mais queridas esse momento de alegria e de esperança de um futuro bom." Tati Führ- 2019

(esse texto menciona trechos de músicas e frases de outros autores que fazem parte da história do casal.)

"Destino é algo curioso, há quem acredite nele, há quem não. Há quem prefira falar em imaginação,sorte, coincidência. Já os lógicos nos explicam sobre causas e consequências. Existem ainda  os que preferem fazer planos, deixar esse assunto de lado. Mas como negar a fé no destino para aquele está apaixonado? 

No amor, destino é lugar em que se chega sem planejar roteiro ou escolher bagagem. Sem comprar passagem. Destino é chegar nos olhos do outro, no jeito de mexer no cabelo, na essência do cheiro, na essência da alma, nos traços do rosto. Naquela única voz que se escuta no meio de uma multidão. Aquela única voz que se escuta no mais profundo silêncio. 

O medo chega, o sono some e a gente reza com força pra Deus pra não se perder nunca mais, se perguntando de onde vem a imensa vontade que dá de ficar. Apenas ficar e ficar.

Para o destino, um amor é espaço sagrado. Já se diz há tempos, em solo sagrado se pisa descalço. Com cuidado. Amor pede reverência, devoção, entrega. Amor pede licença. Amor pede paciência. 

 

E tem dias que dói. E a gente briga com Deus, a gente chora e pede colo pra Deus, como criança que pede colo  para o Pai. Porque ainda não entendemos o tempo, porque queremos para agora o que antes sequer conhecíamos. E o Pai acolhe, o Pai perdoa cada tropeço das suas crianças que ainda estão aprendendo a amar. 

 

Porque destino mostra, mas não faz. Destino não vem pronto. Não vem fácil. Que bom seria se já trouxesse o amor para os braços. Com tapete vermelho, sininhos, encontro. Mas até parece que a gente tem que provar que merece. 

Tem que abrir, de verdade, um espaço, curar o coração. Topar se jogar de cabeça sem proteção, assumir o risco de um SIM ou de um NÃO. E quando se vai o talvez, quando decide que SIM, prepara o salto, pode ter que aprender a esperar mais uma vez.

E... se a gente correr pra longe, dizendo que nunca mais? E se fingir que desiste? Será que passa? Será que o destino passa a ser outro lugar? 

Passa nada. Volta! Vem! O tempo mostra. O tempo prova. A gente aprende, entrega, confia. O tempo certo chega. 

 

É o destino e seus enredos. Criando laços, brincando com os nós. Tecendo os fios, puxando daqui e dalí, daqui e dalí, até que a gente se encontre de vez, abra a porta de vez e fique. Apenas fique e fique.

Planeje um altar e buquê, véu e sapatos, com votos, alianças, beijo, retratos. Convites, convidados, guardiões. Um dia lindo! Esperando com a chave da porta. Agora, nossa porta, da nossa casa, com tapete escrito bem-vindo.

E Deus, gentilmente, nos tira do seu colo e nos coloca no colo daquela pessoa. Só então, a gente suspira  aliviado, ao saber que o amor do destino esteve guardado, esse tempo todo, na palma da Sua mão." Tati Führ- 2019

"Eu descobri que, embora o Amor seja algo infinito, ilimitado, um relacionamento precisa ser bem construído para que o amor habite, para que ele caiba, seja acolhido, seja vivido a cada dia.


Para abrigar um Amor, é necessário um projeto feito por duas pessoas. Tem que ter um conceito, base, estrutura, equilíbrio, proporção. Os materiais escolhidos precisam ser da melhor qualidade, sem economizar em lealdade, respeito, carinho, comprometimento, parceria.


Obrigatoriamente, os engenheiros, arquitetos e construtores precisam ser as mesmas pessoas que irão morar no lugar.


O Amor precisa de espaços livres pra circular, de uma porta grande para entrar, porta-retratos para lembrar, e, essencialmente, de pessoas que se importam.


Precisa de quadros nas paredes, objetos da sorte, de proteção. Lembranças de viagens, aquele cantinho sagrado e até mesmo daquele espaço que quase sempre fica bagunçado.


Acolher um Amor é das tarefas mais gostosas da vida. Ele adora um sofá confortável, daqueles em que as horas passam entre almofadas, conversas e livros.

 

Importante uma cozinha bem equipada, de preferência uma cozinha americana, pra todo mundo ficar junto entre os aromas e sabores escolhidos com carinho.


Sem falar naquele quarto onde cabem os sonhos, os bons dias, as boas noites, os segredos, a paz e o aconchego nos braços do próprio amor. E, entre todas as cores e tons, ele se torna a Luz.


Para acolher um Amor, periodicamente, é necessário pelo menos uma mão cheia de amigos e os encontros com as pessoas mais queridas.


De vez em quando, até alguns conselhos das famílias. Porque, no Amor, não se exclui, se multiplica.


Pra deixar o Amor radiante, é preciso celebrar. Reconhecer que a vida tem muitos motivos pra ser comemorada e que sempre haverá uma boa razão para um próximo brinde.


Como eu sei de tudo isso?
Foi o Amor de duas pessoas que me contou." Tati Führ- 2018

 

"Tanto amor embaixo de guarda-chuvas (texto postado no Instagram)

Sim... Choveu!

Era o noivo que inclinava o guarda-chuva para o lado pra que a noiva não se molhasse. Os votos declarados bem de pertinho. O conforto e a intimidade de quem aprendeu que, por mais que a gente faça planos, a vida vem, surpreende, mas o importante é quem vai estar com a gente, cuidar no nosso coração (e dos nossos cabelos) enquanto houver sol ou chuva.

Eu vi uma noiva capricorniana que lembrou de comprar um monte dos guarda-chuvas mais lindos. É a cara dela pensar em tudo e em todos.

Eu vi sorrisos e lágrimas. A preocupação com o clima que foi dando lugar à entrega para a grandeza daquele momento.

Embaixo dos guarda-chuvas, eu vi casais de convidados abraçados pra caberem os dois. Fiquei pensando há quanto tempo não passavam uma meia hora assim. Os dias passam corridos, né?

Eu vi uma equipe dando seu jeito pra deixar tudo perfeito. Às vezes para minimizar os efeitos da chuva e, principalmente , para aproveitar o melhor do que o céu nos enviou. Nos viramos...E deu certo, né?

Eu me vi segurando um tablet, um guarda-chuva, falando no microfone e curtindo cada palavra. Mesmo que às vezes precisasse pensar rápido em estratégias pra coordenar tudo. Até uma mudinha de árvore da felicidade foi plantada ali no altar. Com calma e muito carinho, demos conta.

Que experiência! Que dia! Quanto amor! Só agradeço por terminar janeiro com o coração acolhido pelo amor da Bruna e do Douglas. Era pra ser do jeitinho que foi."

Tati Führ- 2021

bottom of page